É o segundo grande amigo que se casa esse ano. Ainda faltam mais dois! E novamente, assumi o papel de padrinho e fotógrafo. E com muita honra!

O Eduardo é, digamos assim, o meu melhor amigo mais antigo. Nossa amizade começou quando ainda tínhamos 12 anos de idade, “As Tartarugas Ninjas” eram nosso filme e jogo de fliperama favorito e o bairro Anchieta era um grande “playground”. De guerras de mamonas à tardes inteiras estourando bombinhas, das primeiras escapadas do colégio Arnaldinum para matar aula indo até o ponto final do 6002 e voltando, ou apenas conversando bobagens que achávamos as mais importantes do mundo, foram dias, semanas e anos de grande amizade. E ainda é. Mas hoje, da cervejinha no fim da noite e na hora de conversas sérias, que não passam de bobagens também. Amizade é isso.

E por isso me alegra demais o ver se casar com a Raquel. Companheira e de grande coração, mulher ideal para rir das besteiras e palhaçadas que são parte integrante desse cara. Sem ofenças! rsrs! E sei que será com eles que ainda dividirei inúmeras alegrias e boas risadas!

Então, meus amigos, é de coração que lhes entrego essa primeira amostra da grande noite que foi o casamento de vocês! Espero que gostem e saibam que estarei sempre zelando para que esse amor os leve cada vez mais longe.

Um grande abraço,

Felipe.

Cabelo.

Raquel e Eduardo-1

E esse foi mais um trabalho realizado com a preciosa ajuda de meu amigo fotógrafo, Thiago Soraggi, junto da sua noiva Renata e com a assistência da querida Thaís Rosa. Valeu, galera!

Anúncios

Se gosto tanto da Bahia, muito desse amor é culpa desse cara aí! O Dudu. Ou o Baiano. Baianêra! Grande amigo e colega desde os tempos de publicidade na PUC, companheiro das bagunças, de projetos, de tours paradisíacos e dos campos futebolísticos desse Brasil. Rs! O Dudu e sua família me recebem no melhor da hospitalidade baiana desde o longínquo carnaval de 1998! Ano vai, ano vem e lá estou eu fazendo minha visita a essa terra de sol quente, praias inesquecíveis, gente boa e muito descanso! A Bahia sempre me fez bem! E dessa vez me deixou realmente muito feliz!

É… existem trabalhos que são especiais por natureza. E fotografar o casamento desses dois, foi como fotografar o casamento de meu próprio irmão! Me alegrou muito poder acompanhar de perto esses momentos tão especiais e sentir o quanto ele e a Michelle estão realmente no caminho certo! Muito bom saber que, nesse casal, o amor encontrou a tranquilidade e a calma baiana para ali ficar durante uma vida toda… daquele jeito… beeem sossegado!!!

E tenho a certeza de que de tempos em tempos estaremos juntos novamente, para poder renovar essa amizade e a extender a nossas próximas gerações, que terão o prazer de viver nesse delicioso intercâmbio, Minas-Bahia. Aproveitando o melhor desses dois ricos mundos!

E como dizem por aí meus queridos, “foi massa”!!! Valeu demais por tudo, mais uma vez! E espero de coração que a vida lhes traga muito mais da alegria desse grande dia!

Um grande abraço!

Cabelinho.

P.S. especial: Agradeço muito, também, a meu grande amigo e companheiro de fotos, Alyson Luiz de Carvalho, que topou, sem pestanejar, me acompanhar nessa jornada!!! Valeu demais, companheiro! Pode saber que sua companhia e ajuda foram essenciais! E algumas das fotos abaixos são suas, ok!? E estão devidamente creditadas! rs! Brigadão!

  

Uma praça escura

janeiro 20, 2011

Todos os anos, aqui na minha Belo Horizonte, uma das atrações do final de ano é a iluminação especial de natal que é colocada na bonita “Praça da Liberdade”. O dia da inauguração das luzes é muito esperado e comemorado pelas pessoas que gostam de sentir de perto o espírito natalino e o estado coletivo de alegria e tranquilidade que esse ambiente proporciona.

Esse ano, pela correria usual desse período, admito que só cheguei a ver as luzes de passagem, no dia 24, quando me deslocava de carro para a casa do meu primo, onde minha família passou a noite de natal.

Alguns dias depois, no começo de janeiro, minha mãe perguntou se eu não gostaria de dar uma carona para minha vó até a praça, pois ela estava com vontade de ver as luzes e apesar de morar muito próximo à praça, uma dor em suas pernas dificultava a sua locomoção até lá. Achei uma ótima idéia, já que poderia fazer uma boa ação e ao mesmo tempo curtir um pouco desse clima, que adoro, junto à minha família e claro, com minha câmera em mãos!

Bom, o que aconteceu é que escolhemos exatamente o dia 6 de janeiro, quando comemora-se o dia de Reis, que na tradição cristã foi o dia em que os três reis magos levaram presentes a Jesus Cristo e que também é o dia tradicional para a retirada dos enfeites das árvores e as luzes do natal. E quando chegamos na praça, já perto das 22h, não havia mais nenhuma luzinha acesa.

A primeira sensação foi de decepção e uma ponta de tristeza. Por que não esperaram ao menos passar da meia noite??? Uma outra sensação , foi a estranheza. Nunca tinha me atentado para o quão escura era a iluminação padrão daquela praça. Acho que na última reforma, optaram por manter apenas os postes da planta original, trocando as lamparinas pelas lâmpadas mais modernas. As fotos ficaram bem mais claras do que a realidade, pois com o ISO em 3500 ou 4000 fica fácil buscar qualquer incidência de luz nos motivos retratados.

E a última e mais formidável sensação foi a surpresa! Ao descer do carro, foi possível constatar que a praça estava bem cheia! Cheia de crianças, cheia de sons, cheia de ambulantes, cheia de alegria e cheia do ainda remanescente espírito natalino! Parecia que não havíamos sido os únicos a nos enganar com relação as luzes!

Saí de lá com uma certeza! A certeza de que praça nenhuma precisa de luzes para nos alegrar e encantar. Uma praça precisa apenas das pessoas que as iluminam.

 

Os Reis que apagaram as luzes!

Esse aí não perde a majestade nem no escuro.

Micos para todos os gostos.

Pipoca a meia-luz.

O menino e o homem-C3po.

Fui atrás do cheiro da Bahia. Acarajé de Natal.

Só faltaram as luzinhas...

"Me fotografando nesse escuro?"

Tchau, tchau, Nicolau!

Coretos.

Seresta de Reis.

Ouvindo e sorrindo. Mesmo que sem foco.

Banda de bons velhinho.

Caprichando no acorde.

Final do turno da noite.

E pra terminar, flores amarelas.

 

Viajando para a Bahia que tanto me alegra.

Volto com novidades em fevereiro.

Abraço amarelo.

 

 

O tempo é mesmo implacável!

Invariavelmente, ele continuará passando por cima de nós! A confirmação disso é que estamos chegando a mais um final de ano! Provavelmente você já escutou por aí as pessoas verbalizando o quão rápido 2010 se foi ou como outro dia mesmo estávamos curtindo o inverno de junho passado. Mas a realidade é essa mesmo… os dias se vão assim como outros hão de chegar.

Mas isso é ótimo, não é!? Para mim, o pensamento correto seria: “Lá se foi mais um ano onde pude tentar ser uma pessoa melhor!”. Melhor comigo mesmo. Melhor com as pessoas que amo. Melhor (e principalmente) com as pessoas que nem mesmo conheço. Melhor com o meu mundo e melhor com o mundo dos outros.

Claro que nem sempre teremos êxito nessas tentativas. Os erros estão aí para serem absorvidos da mesma maneira que os acertos. E mesmo que você tenha tentado pouco, é sempre uma boa hora para começar a se esforçar mais!

Particularmente, 2010 foi um grande ano para mim! Com muito mais (mas muito mesmo) bons momentos do que momentos ruins. E vários deles, pude dividir aqui com vocês através de minhas fotos e meus relatos. Mas andei escorregando ou enfraquecendo a vigília em algumas áreas importantes para o equilíbrio ideal em nossas vidas. Áreas que precisam estar em harmonia uma vez que sempre se influenciam mutuamente. Esse é um pensamento simples, mas às vezes, muito difícil de ser inteiramente compreendido ou colocado em prática.

Por exemplo, você já parou para pensar que, às vezes, aquele tão esperado crescimento na vida profissional que, por mais que você se esforce, não acontece, pode estar diretamente ligado ao seu descuido com a sua relação familiar? Ou no seu descuido com sua saúde? Afinal, quem consegue produzir sem energia e bem estar? Ou já pensou na possibilidade do seu equilíbrio na área das finanças estar associado à sua estabilidade espiritual? Qual a parcela de seus ganhos pessoais, não só financeiros, você ofereceu em doações ou ações em prol de quem precisa de sua ajuda?

Um passarinho me contou que 2011 será um ano importantíssimo para a humanidade. Energeticamente falando, será um período de grandes definições. Um ano para a construção de alicerces mais estáveis para o futuro de cada um. Ou seja, se você tem algum plano especial, ou sente que precisa tomar alguma importante decisão, direcione seus esforços para esse ano que se aproxima!

Sinto que, pessoalmente, 2011 será um grande ano! Agradeço (e muito!) a todos e a tudo, pelos dias tranquilos, as alegrias e as conquistas que tive durante esses últimos 12 meses e espero, de coração, que todos vocês tenham muita coisa boa para poder agradecer na virada de 2012!

Um forte abraço amarelo! Muita paz, muita luz e um feliz natal!!!

Deixo agora pra vocês, algumas fotos de trabalhos, pessoas e momentos que marcaram o meu 2010. Claro que não está tudo aí, pois são muitos os momentos marcantes que temos em um ano de vida. Mas tentei fazer um apanhado geral de alguns registros mais significativos e representativos.

Começando o ano com uma importante (re)conquista!

Meu pequeno sobrinho Théo, no dia de seu aniversário de 2 anos, representando a importância de toda uma grande família!

Meu grande amigo Thiaguinho se casando com a Carol. Duas lindas filhinhas depois.

O batismo da pequena Letícia, afilhada de meu amigo Ronan.

Os já tradicionais dias de confraternização, descanso e diversão na fazenda do Tio Reinaldo, em Campo Limpo de Goiás, que renderam um dos mais emocionantes post do ano!

O casamento de Flávia e Cristiano, em mais uma parceria profissional com meu amigo Thiago Soraggi.

Alguns dos meu grandes amigos na comemoração dos meus 31 anos representando a importância de cuidar bem dessas amizades.

Queridos Manu e Daniel e um belo e animado casamento!

O casamento dos meu amigos Marina e Titi e a importância da harmonia nos nossos corações.

Minha primeira visita ao velho mundo, representando a importância de viajar e de poder e querer ser um turista. E dos bem rodados, de preferência!

Minhas queridas Vovó e Mamãe e a importância do carinho e da união familiar. De novo!

Maria Clara, sobrinha do meu amigo Hudson, comemorando seu primeiro ano de vida. Outra grande família!

O batizado de Pedrinho, sobrinho do meu amigo Daniel. E adivinha? outra grande família! rs!

Meus pais, e minha tia, na celebração do aniversário dele e a importância de ainda poder desfrutar e participar desses momentos.

Eu no Wedding Brasil 2010 entre os grandes fotógrafos David Jay e meu amigo Vinícius Matos. A importância da busca por novos conhecimentos e o aperfeiçoamento profissional.

Formatura da minha Nana. A coroação de muita dedicação, esforço e competência. Meu orgulho, meu exemplo.

Árvore do amor, Natal, RN. Viagem comemorativa de formatura. A alegria e o prazer de poder conhecer novos lugares junto da mesma e a melhor companhia.

Gra e Mathias. Bela família, bela festa com grandes amigos. Representando o agradecimento a todas as noivas pela confiança em meu trabalho.

Triangulinha. Minha divertida estréia na fotografia de palco. Representando a busca por novos desafios.

Cobertura fotográfica do Prêmio Semeando de 2010. Representando a continuidade, a confiança e o retorno da dedicação e da qualidade de um trabalho feito com paixão e muito empenho.

Sessão externa com os queridos Isabela e Tiago. Ano que vem estarei fotografando o casamento deles! Representando os trabalhos que estão por vir e a vontade de melhorar e crescer em cada um deles.

Saindo do forno, uma amostra de um trabalho ainda inédito mesmo para os noivos. Casamento de Denise e Paulo no Topo do Mundo.

E por último mas não menos importante, agradeço a Deus por esse tão belo mundo e toda a liberdade e a responsabilidade que temos para dele desfrutarmos.

Nos vemos em 2011 amigos amarelos!!!

As cores do subterrâneo

outubro 26, 2010

No pequeno município de Cordisburgo, encontra-se mais um belo tesouro mineiro! A famosa Gruta do Maquiné! Passeio de fácil acesso e muito agradável para os cidadãos belorizontinos. A cidade ainda oferece como atração turística a “casa museu” de um importante filho de suas terras: Guimarães Rosa! Fora a boa e velha gastronomia mineira, saborosamente servida nos simples e baratos restaurantes locais.

A nova iluminação da gruta está um espetáculo a parte. E para os visitantes, fica claro o por que de seus majestosos salões terem sido usados como locações de filmes, novelas globais e até palco de pomposos casamentos!

Uma ótima pedida para um fim de semana diferente. E um grande banquete para os olhos de qualquer fotógrafo!

Curtam!

Abraços amarelos!

P.s: Grande período de ausência por aqui. Mas isso não significa que não esteja fotografando (e bastante!) no mundo real! Aos poucos, tiro o meu atraso de postagens!

Se não me engano, essas cores são naturais. Algum tipo de fungo.

Entranhas terrenas.

A bela e colorida entrada!

Fico imaginando quantas vezes esse guia passou por essa porta.

Em algum lugar, tinha um elefante. Não tenho certeza se era aqui.

Nenhum morcego a vista!

Concha no teto que acaba dentro d´água!

Foto muito similar a recordação que tinha dessa gruta. Lembranças de uma excursão escolar quando era apenas um menino bem pequeno. Hoje sou só pequeno! rs!

 

Uma pequena cidade de ponta cabeça.

 

Grande salão.

 

Paredes púrpuras.

 

...

 

Saindo do buraco! Sem a ajuda da Fênix II!

 

Aposto que os 33 mineiros chilenos não tiveram uma refeição tão boa quanto essa quando saíram do buraco!

 

Detalhe do Monumento "Portal do Sertão", na bela praça da cidade!

 

Velha Máquina de Guimarães Rosa. Dela saíram grandes clássicos da literatura brasileira!

 

Textos que lhe renderam muitos prêmios! Esse é um deles! Troféu Gutemberg!

E bons ventos me trazem

setembro 24, 2010

Mais um pouco do Rio Grande do Norte. Mais um pouco de dias felizes. Mais um pouco de vento.

“O que seria da pipa, se não fosse o vento? Da alegria de voar, lhe restaria a companhia do carretel e da rabiola. Pensando bem, ela ainda seria muito feliz.”

Felipe Temponi

Pseudo-degraus.

O Rei da Urca do Tubarão. O homem das palavras de Gostoso.

Seu amor em letras.

Sob minha direção.

Composição previsível, mas irresistível!

Mar pintor.

Queria entender o por que de janelas tão pequenas em cidade tão quente.

Vento é o que não falta para os 23m de cada pá.

Passantes em Pipa.

Pipa na maré alta.

Restaurante cubista.

Entre "Tapas" e beijos.

Paredão do paraíso.

Pipa na maré baixa.

Mais um lugar que vale a viagem. Chapadão.

Carrinho em rocha grande.

Passos da menina florida.

Sorriso que me faz sorrir.

Boas cores.

Deve ser a padroeira dos barquinhos.

Essa foto não é minha. E está uma beleza.

Arte de sobremesa.

Verdes e azuis infinitos.

Auto-retrato sombrio.

Subo nesse palco

setembro 2, 2010

Alguns meses atrás, tive a oportunidade de fazer a cobertura fotográfica oficial do “Festival de Cultura e Gastronomia de Araxá” (clique no link para ver todas as fotos do projeto). Foram alguns dias de trabalho duro, muitas fotos, boa comida e um bocado de diversão! Adoro esse tipo de trabalho e tenho procurado diversificar minhas empreitadas.

Durante quatro dias acompanhei toda a movimentação cultural e gastronômica que rolou no Grande Hotel de Araxá e movimentou milhares de pessoas. Aconteceram muitos festins com grandes nomes da cozinha nacional e mundial e muita música boa rolou por lá.

Por enquanto, vou mostrar a parte musical. Foram fotos embaladas por grandes shows que literalmente me faziam viajar. Para quem me conhece, sabe que uma das minhas paixões é a música e quando consigo unir som de qualidade com o ato de fotografar, entro em um estado elevado de apreciação e prazer. E citando um grande fotógrafo, mostro por que gosto tanto de usar a minha objetiva 70-200mm para esse tipo de trabalho.

“Se as suas fotografias não estão boas suficientes, é por que você não está perto o suficiente.”

Robert Capa

Começando com um chorinho do grande Ausier Vinícius.

Cavaquinho de um francês que aprendeu a amar o Brasil.

Pandeirando.

É chorinho mesmo! rs!

Agora, a Banda do Síndico!

Metais que levantaram o público!

É a cara do Djavan, mas não é ele.

Solo.

Silvério Pontes.

A cozinha da Bêja Jazz.

Sax de respeito!

Toninho Horta fechando a noite de sábado!

Um baixista, seu baixo e seu bigode.

Bem perto.

Nirvana?

Quem colocou essa partitura tão distante?

Daniela Spielmann, do programa "Altas Horas"

Concentração...

Silvério Pontes outra vez.

Maionese na flauta!

Um retrato do grande trombonista Zé da Velha, que ganhou esse apelido de Pixinguinha.

Talentos reunidos!

Tocando e ouvindo.

Ausier novamente.

Zé da Velha, seu trombone e o Zé da velha de novo.

Vai encarar a "marvada", Zé?

Parabéns...

... e muito obrigado!